CARTA À CÂMARA: SCBraga indisponível para dar contrapartidas pela cedência dos 12 hectares e da piscina

É mais um passo na «guerra» entre o Sporting Clube de Braga e a Câmara Municipal. O clube escreveu uma carta aos órgãos municipais – freguesias incluídas – onde avisa que “não está disponível para assumir qualquer encargo” em contrapartidas para o Município, na sequência da cedência de terrenos e da estrutura inacabada da piscina olímpica, o mamarracho em betão que está plantado ao lado do novo estádio.

Na missiva diz, ainda, que quer que a constituição do direito de superfície dos 12 hectares que a Câmara lhe disponibilizou para construir a Cidade Desportiva, seja por 40 anos, mas automaticamente renováveis. O contrato que a Câmara propõs prevê o eventual prolongamento por mais 40 se houver acordo entre as suas entidades.

Embora não o diga explicitamente, o seu Presidente, António Salvador, dá a entender que não vai assinar contrato nenhum pelos terrenos. O que seria mais um imbroglio jurídico, pois o clube já tem os terrenos.

No documento, Salvador lembra que o clube “está a fazer um enorme esforço financeiro na Cidade Desportiva, que pode chegar aos 30 milhões de euros”, de investimento, uma verba «nada meiga» para um clube como o que gere.

Daí que – argumenta - “não faça sentido” arcar com um custo acrescido para fazer uma sala com 800 m2 no futuro pavilhão desportivo – a nascer «em cima» do esqueleto da piscina - , bem como “adaptar uma infraestrutura já existente”, para se substituir às obrigações do Município.

As duas partes entraram em rota de colisão nas negociações do contrato de cedência dos terrenos e da estrutura inacabada: a Câmara invoca a “boa fé” de um acordo verbal de cedência de uma área de 800 m2 no pavilhão, para ginástica e que consta de uma deliberação da Assembleia
Municipal.

O clube diz que nunca concordou e que não assinou nada. E, conforme o «O Vilaverdense/Press Minho» há dias noticiou, o diferendo abrange as obras no estádio que o clube quer fazer e a Câmara não quer comparticipar.

O diferendo abrange, ainda, as obras que o clube quer fazer no estádio, em cujo custo a Câmara já disse que não vai comparticipar.
Até porque paga 7,5 milhões por ano para pagar a sua construção, em 2004. Porque já gasta 7,5 milhões por ano para pagar a sua construção, em 2004, que custou 150 milhões. E, na reunião realizada há dias entre os órgãos municipais e os «sociais» do clube, Rio disse que, se não houver acordo, a Câmara fica com a piscina e investe na sua recuperação.

APELO À BOA-VONTADE

Na carta, a que tivemos acesso, o presidente do SCBraga invoca as vantagens que a sua atividade traz para a cidade e a região, e argumenta que “os custos das obras seriam consideravelmente inferiores (mesmo considerando a aquisição de terrenos) se o clube tivesse optado por implementar a Cidade Desportiva noutro local, onde fosse possível a construção em condições mais favoráveis, nomeadamente com declive menos acentuado, conforme lhe foi proposto por um município vizinho”.
Uma vizinhança que não enumera.

Acentua que o projeto requalifica a zona da cidade onde se insere atraindo população, e recupera as piscinas olímpicas em total degradação; garante que não se opõe a que o Município desenvolva, duas vezes por ano, atividades nas instalações que até podem ser mais vezes. Salienta que o Circuito de Manutenção – aberto aos municípes - já se encontra pronto, embora o tenha feito sem qualquer obrigação contratual do clube.

Sobre o período de 40 anos de direito de superfície, o SCBraga diz que “não pode investir e ficar sem a estrutura ao fim de 40 anos, sem qualquer compensação”, e pede a renovação automática pot iguais períodos de tempo, salvo oposição do próprio clube.

A concluir apela à sensibilidade da Câmara, vereadores e Assembleia Municipal para se superar o atual impasse e assinar o respetivo contrato.

---
Redacção
ovilaverdense@gmail.com

    Jornal o VilaVerdense
19 de Março de 2018 / 08:01

Partilhar no Facebook  Partilhar no Facebook


-Governo reduz impostos a senhorios com contratos superiores a dez anos

-VILA DE PRADO: Jogos de Tabuleiro motivam encontro familiar na Biblioteca

-INCÊNDIOS: Bombeiros combatem chamas em Pedregais

-Alunos da EPATV organizaram Tertúlia “Cozinha, do Tradicional ao Contemporâneo”

-TRIBUNAL: Empresa contesta concurso da BRAVAL para contratação de 42 trabalhadores

-SANEAMENTO: Obra de mais de 780 mil euros em curso em Cabanelas

-LOUREIRA: Encontro de Concertinas no dia 25 de Abril

- GNR: 148 detidos em flagrante no fim-de-semana

-REGIÃO: Buscas por pescador desaparecido sábado no rio Minho retomadas

-“Semana da Saúde” até sexta-feira na ESVV

-BRAGA: Museus D. Diogo e Pio XII cedem peças para mostra em Ourense sobre reino suevo

-DESTAQUE: Tradição e muita gente no VI Festival de Folclore do Vale do Homem

-BRAGA: Concerto ‘Outro Tempo, José Afonso’ marca comemorações do 25 de Abril

-CRIME: Vilaverdense detido em Amares na posse de 95 gr de haxixe

-CABANELAS: “Sopas e Caldos” para juntar comunidade e angariar verbas

-AAUMinho arrecada bronze no basquetebol masculino

-ACTIVIDADE GNR: 46 pessoas detidas nas últimas doze horas… um morto e três feridos graves em 64 acidentes de trânsito

-BRAGA: Câmara promoveu formação em animação Stop Motion para prof’s

-FUTEBOL (Pró-Nacional): GD Prado com teste de fogo frente ao Taipas

-FUTEBOL (I Divisão): Lanhas quer surpreender o líder

-VILARINHO: Associação assinala Dia da Mãe no primeiro fim-de-semana de Maio

-SOLIDARIEDADE: JS Vila Verde entrega bens na Loja Social de Prado

-Autarcas monárquicos entregaram «medalha de honra» a Miguel Albuquerque, Presidente da Madeira

-DESTAQUE: Câmara de Braga dá cheque veterinário a famílias carenciadas

-REGIÃO: ISAVE promoveu seminário sobre Literacia em Saúde

-BRAGA: Luís Represas visitou crianças no Serviço de Pediatria

- ACTIVIDADE GNR: 36 detidos nas últimas 12 horas

-FUTEBOL ( CPP): Vilaverdense FC fecha campeonato na casa da AD Oliveirense

-POLÉMICA: Cação e Luís Castro voltam a trocar argumentos

-CRIME: Suspeito de burla informática de Barcelos detido no Brasil









Jornal O Vilaverdense