ALERTA: Portugal é o país europeu que mais usa herbicida que pode provocar cancro

Onze associações ambientalistas e agrícolas portuguesas exigem ao governo que se junte esta quinta-feira aos países que vão votar contra a proposta da Comissão Europeia para prolongar por cinco anos a licença de utilização do glifosato, um herbicida classificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como provável causador de cancro nos humanos, avança a TSF.

O apelo é assinado por organizações como a Quercus, Confederação Nacional da Agricultura ou Liga para a Protecção da Natureza juntas na Plataforma Transgénicos Fora, mas o Ministério da Agricultura, contactado pela TSF, opta por guardar o anúncio da posição portuguesa apenas para o momento da votação, depois de no passado se ter abstido numa votação semelhante.

Se não for alargada, a licença de uso do glifosato na Europa acaba a 15 de Dezembro.

Entre os vários argumentos apresentados, os ambientalistas dizem que Portugal é o país europeu onde mais se usa o glifosato e apresentam um estudo acabado de publicar por uma equipa internacional de investigadores na revista académica ‘Science of the Total Environment’ que encontrou níveis elevadíssimos de glifosato nas amostras recolhidas em solos agrícolas portugueses, nomeadamente em vinhas da zona Centro na Bairrada.

A TSF falou com uma das portuguesas envolvidas neste estudo, Vera Silva, investigadora na universidade holandesa Wageningen, que confirma que os resultados das 17 amostras recolhidas em solo nacional são um indicador preocupante: 53% tinham o herbicida, muito mais que o segundo país mais contaminado (30% em França), tendo também as maiores quantidades de glifosato no solo.

Apesar de não representar o todo dos solos portugueses, Vera Silva argumenta que estes dados nacionais, nunca antes avaliados, são um indicador do que pode estar a acontecer noutras zonas do país, numa opinião partilhada pelas 11 associações da Plataforma Transgénicos Fora.


GLIFOSATO NA URINA

Em nome da Plataforma Transgénicos Fora, a ambientalista Margarida Silva lamenta a falta de estudos oficiais do Estado sobre o glifosato em Portugal e defende que os dados do trabalho recente sobre os solos “estão alinhados com os valores conhecidos de contaminação humana”, sublinhando que em 2016 um levantamento que fizeram mostrou níveis inesperadamente elevados deste herbicida na urina de todos os voluntários testados, com os portugueses a apresentaram, em média, vinte vezes mais glifosato que os alemães.

As associações defendem que “enquanto o Ministério da Agricultura não souber explicar como é que Portugal ficou tão contaminado por glifosato e não implementar medidas que reduzam drasticamente este problema, é impensável permitir que a utilização generalizada na agricultura, nas ruas e até para fins domésticos possa continuar”, recordando que a OMS já provou que o glifosato causa cancro em animais de laboratório.

---
Redacção/FG (CP 1200)
ovilaverdense@gmail.com

    Jornal o VilaVerdense
9 de Novembro de 2017 / 17:42

Partilhar no Facebook  Partilhar no Facebook


Outras notícias

-VILA VERDE: PS recomenda revisão à tarifa de recolha de lixo para pequeno comércio

-CASO "CONVERTIDAS" (Braga): Ex-governante Miguel Macedo confirma telefonemas de Mesquita Machado a solicitar a cedência do antigo Convento das Convertidas

-VILA VERDE: Implementação de serviço municipal de recolha de saneamento condicionada a estudo financeiro

-VILA VERDE: Projecto “Chega” assina acordos de colaboração na sexta-feira

-PSP detém dez pessoas em Braga e Vila Nova de Famalicão

-INEM renova VMER de Braga e não só a partir de quarta-feira

-Câmara aprovou manutenção das tarifas de água e de saneamento

-CIM Cávado promove sessão de capacitação empresarial sobre “Internacionalização de Empresas” no dia 22 de Novembro

-BRAGA: TUB retomam circulação na Rua Nova de Santa Cruz esta segunda-feira

-VILA VERDE: Centro Escolar recebe concerto do Dia Mundial da Música na quarta-feira

-BRAGA: Trânsito condicionado em S. Vicente na próxima terça-feira

-SOUTELO: Comunidade desafiada a fazer “polvinhos” para bebés prematuros

-Chuva regressa a partir de quarta-feira ao Minho

-FUTEBOL: Lotaria dos penáltis coloca Vilaverdense nos "oitavos" da Taça

-Cruz Vermelha de Braga aposta no apoio aos sem-abrigo e terá nova sede

-CERVÃES recria “Tradição dos nossos avós: Ciclo de Pão de Milho” com folclore, exposição e “sopas de burro cansado”

-VILA VERDE: Semana da Floresta Autóctone arranca esta segunda-feira; Caminhada Ambiental no dia 25

-TAÇA DE PORTUGAL (Vizela-Vilaverdense FC): «Vamos a Vizela com a intenção de vencer» - António Barbosa

-FUTEBOL (Pró-Nacional): Interromper ciclo negativo na recepção ao Vieira SC

-RIBEIRA DO NEIVA (Vila Verde): Casa do Povo lança campanha de angariação de fundos para aquisição de uma carrinha

-LOUREIRA: EJAH apagou as velas do 6º aniversário

-DOSSÃOS: Populares juntaram-se para limpar Ribeira do Rojão

-António Cunha apresentou o seu mais recente livro “O Caminho dos Judeus”

-DESTAQUE: Associação Famílias promoveu jantar e ofereceu enxovais a vítimas de incêndios

-BRAGA: Assembleia Municipal recusou proposta do BE de empréstimo da Confiança à «Velha-a-Branca»

-ATAHCA entregou certificados de formação profissional

-ÚLTIMA HORA – Governo prorroga até quinta-feira período crítico de fogos florestais

-PONTE DE RODAS: Quatro cães recém-nascidos encontrados mortos no fundo do rio

-Jantar Solidário a favor das crianças órfãs de Guerra do Leste da Ucrânia no dia 24 de Novembro na EPATV

-Câmara de Vila Verde adjudica mais dois milhões de euros em saneamento









Jornal O Vilaverdense