CONTAS 2016: PS acusa Câmara de Vila Verde de gastar muito dinheiro de forma errada

Os documentos de prestação de contas da Câmara de Vila Verde referentes a 2016 foram esta terça-feira aprovados, em reunião do executivo, com a abstenção do PS, que considera que a autarquia «tem de ser gerida de uma forma muito mais eficiente».

«Gasta-se muito dinheiro mal gasto e perdem-se oportunidades, nomeadamente no que diz respeito a fundos comunitários. Este documento demonstra acima de tudo uma enorme falta de trabalho, uma falta de visão e de estratégia, capazes de promover Vila Verde e a qualidade de vida dos vilaverdenses», criticam.

Segundo os socialistas, «não se compreende como a autarquia deve tanto dinheiro e como em simultâneo continuam a faltar infraestruturas básicas como saneamento, água e infraestruturas rodoviárias».

Para o PS, o mais grave é o facto de a dívida «continuar a aumentar», sendo que a autarquia tem, de acordo com os socialistas, «uma dívida que corresponde a 398,58 euros por habitante», o que a coloca na segunda pior situação económica e financeira da região do Cávado, a seguir a Terras do Bouro.

«Num ano pagou-se 6,8 milhões de euros de dívida tendo contraído empréstimos no valor de 4,4 milhões de euros», frisam, destacando que o documento «reflecte uma gestão de 20 anos, cansada, sem ideias, sem visão, com uma má execução de fundos comunitários, onde se aumenta a receita com impostos cobrados aos vilaverdenses (IRS)».

Para o PS, «a Câmara deixou de ser o motor da economia local, os processos judiciais não param de aumentar e com isso aumenta o risco de pagar indeminizações avultadas por más decisões. Os subsídios estão reduzidos a praticamente nada».

«Por via do endividamento excessivo, a autarquia ficou sem capacidade de investimento, não sendo capaz de executar fundos comunitários, desinvestindo na economia local e transferindo menos verbas para as freguesias», frisam.

Segundo os socialistas, não é verdade que o Município tenha taxas de execução de 91%, como o executivo PSD anunciou. «As transferências de capital apresentam uma execução de apenas 33%. Muito longe dos 90% apregoados nos jornais, Sr. Presidente. Estavam previstas receitas de 6,1 milhões de euros e apenas foram executados dois milhões de euros», criticam.

«Este é um indicador alarmante, tanto mais porque esmiuçado o valor percebemos que está diretamente ligado à execução de fundos comunitários. Em 2016, o Município de Vila Verde executou apenas 349 mil euros em fundos comunitários. Um verdadeiro desastre quando comparado com os 4,3 milhões de euros do ano de 2015», realçam.


VILELA DIZ QUE AUTARQUIA TEM «BOA SAÚDE» FINANCEIRA

Ao jornal “O Vilaverdense”, o presidente da Câmara assegura que o Município apresenta «boa saúde» financeira, garantindo que, no final de 2016, o Município reduziu a dívida de longo e médio prazo em 2,5 milhões de euros e a dívida total em 2,3 milhões.

O autarca realça, por outro lado, que em 2016 «foi feito um trabalho de base», nomeadamente através do lançamento de diversos procedimentos, para que várias obras «estruturantes» possam ser executadas a partir deste ano com recurso a fundos comunitários.

«Temos feito um máximo aproveitamento desses fundos», vinca António Vilela, lembrando que algumas candidaturas abriram apenas no final de 2016, pelo que não poderiam ser executadas nesse ano.

Segundo o autarca, em 2017 e 2018, a autarquia tem previsto um volume de investimento que ronda os 20 milhões de euros, abrangendo várias áreas, como o saneamento, a eficiência energética, a requalificação das escolas EB 2,3, as ciclovias e mobilidade sustentável, a Ecovia do Cávado e ainda outros projectos como a requalificação da zona da antiga adega cooperativa de Vila Verde.

---
Redacção
ovilaverdense@gmail.com

    Jornal o VilaVerdense
18 de Abril de 2017 / 16:18

Partilhar no Facebook  Partilhar no Facebook


-Vilaverdenses na final do maior torneio de golfe amador

-Se comprou uma placa “Eldslaga” no IKEA deve contactar a empresa

-VILA VERDE: Não há recolha de lixo nos dias 25 de Abril e 1 de Maio

-Governo reduz impostos a senhorios com contratos superiores a dez anos

-VILA DE PRADO: Jogos de Tabuleiro motivam encontro familiar na Biblioteca

-INCÊNDIOS: Bombeiros combatem chamas em Pedregais

-Alunos da EPATV organizaram Tertúlia “Cozinha, do Tradicional ao Contemporâneo”

-TRIBUNAL: Empresa contesta concurso da BRAVAL para contratação de 42 trabalhadores

-SANEAMENTO: Obra de mais de 780 mil euros em curso em Cabanelas

-LOUREIRA: Encontro de Concertinas no dia 25 de Abril

- GNR: 148 detidos em flagrante no fim-de-semana

-REGIÃO: Buscas por pescador desaparecido sábado no rio Minho retomadas

-“Semana da Saúde” até sexta-feira na ESVV

-BRAGA: Museus D. Diogo e Pio XII cedem peças para mostra em Ourense sobre reino suevo

-DESTAQUE: Tradição e muita gente no VI Festival de Folclore do Vale do Homem

-BRAGA: Concerto ‘Outro Tempo, José Afonso’ marca comemorações do 25 de Abril

-CRIME: Vilaverdense detido em Amares na posse de 95 gr de haxixe

-CABANELAS: “Sopas e Caldos” para juntar comunidade e angariar verbas

-AAUMinho arrecada bronze no basquetebol masculino

-ACTIVIDADE GNR: 46 pessoas detidas nas últimas doze horas… um morto e três feridos graves em 64 acidentes de trânsito

-BRAGA: Câmara promoveu formação em animação Stop Motion para prof’s

-FUTEBOL (Pró-Nacional): GD Prado com teste de fogo frente ao Taipas

-FUTEBOL (I Divisão): Lanhas quer surpreender o líder

-VILARINHO: Associação assinala Dia da Mãe no primeiro fim-de-semana de Maio

-SOLIDARIEDADE: JS Vila Verde entrega bens na Loja Social de Prado

-Autarcas monárquicos entregaram «medalha de honra» a Miguel Albuquerque, Presidente da Madeira

-DESTAQUE: Câmara de Braga dá cheque veterinário a famílias carenciadas

-REGIÃO: ISAVE promoveu seminário sobre Literacia em Saúde

-BRAGA: Luís Represas visitou crianças no Serviço de Pediatria

- ACTIVIDADE GNR: 36 detidos nas últimas 12 horas









Jornal O Vilaverdense